Notícias

No seguimento do programa de ontem "Contas Poupança, emitida na SIC, em horário nobre, sob o título “Como poupar nas comissões das imobiliárias”, gostariamos de tecer os seguintes comentários de carater pessoal:

 

- A nossa atividade é regrada e legislada, por diversas entidades, quer por legislação nacional, quer comunitária;

- Somos obrigados por lei a "fiscalizar" as transações imobiliárias mediadas por nós, sob pena de incorrermos em penalizações avultadas, que poderão ditar o encerramento de uma empresa;

- Somos "fiscais", ao serviço dos fiscais, com muitas obrigações e poucos direitos;

- Numa época em que a globalização é imparável, e em que os governos mundiais se unem para prevenir o "Combate ao terrorismo e Branqueamento de capitais", e em que nós, MEDIADORES IMOBILIÁRIOS, temos mil e uma obrigações nestas àreas, é lamentável que um "consultor" venha incentivar a que sejamos colocados de lado, em prol de uma poupança ...

- Lamentavel é também, que, com tanta obrigação, legislação e preocupação,  não seja obrigatório que qualquer negócio imobiliário tenha que ser mediado;

- Lamentável é que, em nome da poupança o interesse do comprador não seja salvaguardado.  Será que comprador e vendedor são especialistas em Predial? Será que está tudo legal?

- Lamentável é também que as entidades que nos obrigam a fiscalizar, não reprovem este tipo de práticas e comentários.

Por cada negócio particular que corre bem, existem muitos que acabam em tribunal... 

 

Anexo comunicado da ASMIP

 

 

Procura em Cascais e Oeiras aumenta, com brasileiros a liderarem as vendas a investidores estrangeiros. Valor médio por transação é de 1,3 milhões de euros, bem acima dos 460 mil euros que os portugueses pagam nesta zona

Este vai ser o melhor ano para o imobiliário desde 2010. Alojamento local, vistos gold e juros perto do zero animam o mercado

As novas regras de pagamento do imposto, trazidas pelo que a oposição denominou de 'Imposto Mortágua' forçam os contribuintes a resolverem as heranças pendentes... sob pena de fazer subir a conta fiscal.

sábado, 24 dezembro 2016

BOAS FESTAS!!

A equipa das CASAS SIM deseja a todos BOAS FESTAS!!!

 Aliciam incautos com meganegócios imobiliários, mas acabam por roubar o dinheiro. 

Há quatro incentivos disponíveis ao nível do IMT, do IMI e do IVA dos materiais de construção, explica António Neves, partner da EY. Por exemplo se com as obras de reabilitação conseguir subir em dois níveis o nível de eficiência energética poderá requerer a devolução do IMT pago no momento da compra do imóvel.

Mas para isso, é necessário que a compra tenha sido feita até um limite de três. Mas também é possível conseguir uma isenção do IMI.

A partir de agora, quem quiser vender ou alugar uma casa vai ter de pedir primeiro um Certificado Energético. É um documento igual aos que trazem os eletrodomésticos, que lhe diz se a sua casa gasta muita ou pouca energia. É uma despesa certa antes de pôr a casa à venda ou para alugar. O Contas-poupança explica.

Objetivo das Finanças é analisar caso a caso quais destas penhoras correspondem a casas de morada de família.  

O fisco mandou travar todas as vendas de imóveis de particulares que tenham sido penhorados na sequência de processo de dívidas de impostos.O objetivo é verificar se e quantos correspondem a casas de morada de família. A administração fiscal está impedida de vender estas casas, devido a uma alteração à lei que entrou em vigor a 24 de maio. 

A administração fiscal vai deixar de poder vender as casas que tenham sido penhoradas por dívidas fiscais, quando estas servirem de habitação própria e permanente a famílias. A lei, entrou terça-feira (dia 24 de maio) em vigor, salvaguarda imóveis de valor tributário até 574.323 mil euros.